Make your own free website on Tripod.com

Realidade Plena - Arquivos

Curiosidades

Home
Certos Detalhes da Vida
Histórias Reais
Curiosidades
Parashá
Galeria Imortal

Retornar ao Site Realidade Plena

Voce sabia ?
 

Como a bandeira israelense foi escolhida?
David Wolffsohn, que participou do Primeiro Congresso Sionista, em 1897, conta a história do nascimento da bandeira israelense:
 "A convite de nosso líder, Herzl, vim para a Basiléia para os preparativos para o Congresso. Entre muitos outros problemas que me ocupavam, havia um que continha algo da essência do problema judaico. Que bandeira seria pendurada no Salão do Congresso?

Então tive uma idéia. Temos uma bandeira, e é azul e branca. O talit (manto de orações), com o qual nos cobrimos quando rezamos: este é nosso símbolo.

Vamos tirar o talit de sua sacola e vamos desenrolá-lo perante os olhos de Israel e os de todas as nações. Então encomendei uma bandeira azul e branca com a Estrela de David pintada. 

Foi assim que a bandeira nacional de Israel, que esteve no Salão do Congresso, surgiu."

As faixas azuis acima e abaixo da Maguen David nos lembram o talit. Quando vemos a bandeira de Israel, nos lembramos da fé e das orações de muitas gerações de judeus que esperaram o retorno ao seu Lar.

 A Maguen David é um tradicional símbolo judaico. A estrela é composta por dois triângulos, um com a ponta para cima, outro para baixo. Um deles aponta para tudo que é espiritual e santo. O outro aponta para baixo, para tudo que é terreno e secular. Ao levar uma vida de Torá e mitzvot, o Judeu luta para unir o mundo espiritual ao terreno, o sagrado e o secular.

A lenda nos diz que David, rei de Israel, enfeitava seu escudo com a estrela de seis pontas, por isso a estrela é chamada Maguen David.

Bandeira de Israel

  O Hino de Israel
- Hebraico
- Kol od balevav penima
- Nefesh Iehudi omia
- Ulfaatei mizrach kadima
- Ain letzion tzofia
- Od lo avda tikvatenu
- Hatikva bat shnot alpaim
- Lihiot am chofshi beartzeinu
- Eretz Tzion v'Yirushalaim
Tradução
- Enquanto dentro do coração
- De cada alma judia palpitar
- E na direção do oriente
- Os olhos se dirigirem
- Ainda não passou nossa esperança
- Esperança que tem dois mil anos
- De ser um povo livre em nossa terra
- A Terra de Tzion e Jerusalém
 

A história de uma "Esperança"
Naftali Herz Imber, que nasceu em Zloczow, Polônia em 1856 e faleceu em Nova Iorque em 1909, teve todas as características de boêmio e sonhador. Tendo recebido uma educação religiosa em sua infância e juventude, a Bíblia e o Talmud, como sua língua e mensagens lhe eram totalmente familiares.

O crescente movimento judeu de retorno ao solo ancestral, Tzion, teve eco imediato em seu ser. A notícia da fundação da colônia hebraica "Petach Tikva", em 1878, inspirou-lhe a redação de um poema em hebraico, que chamou "Tikavatenu", ou seja, "nossa esperança".

Naqueles anos os versículos bíblicos serviam para elegerem-se os nomes das novas cidades e colônia que se construíam sobre terras arenosas ou em meio a pântanos.

Petach Tikva significa "a porta da esperança", expressão do profeta Oséas, capítulo 2, na qual se refere ao tempo em que D-us retornará a seu povo e então o vale sombrio será substituído pela "porta da esperança". Imber, por sua parte, inspirando-se no conceito de esperança, recordou o versículo do livro do profeta Ezequiel (37:11), que nos relata que o povo de Israel, desterrado na Babilônia pela hordas de Nabucodonosor, expressa "nossa esperança foi perdida". O poeta trocou a frase por "ainda não passou nossa esperança".

Em 1882 lê sua poesia aos agricultores de Rishon le Tzion - colônia também fundada a fins do século passado - que se entusiasmam com a mesma, e um deles, Samuel Cohen, lhe adapta uma melodia moldava.

Desde então começa a popularizar-se e a recitar-se na finalização dos distintos Congressos Sionistas. No 18º Congresso, realizado em Praga em 1933, foi adotada formalmente como o hino do movimento sionista.

Este canto guarda dentro de si uma terrível intuição. O capítulo de Ezequiel que inspirou ao poeta, nos narra que o profeta teve a visão de um vale cheio de ossos secos, que representa a todo o povo de Israel que exclama: perdemos nossa esperança de continuar vivendo.

Frente ao qual Deus ordena ao profeta que diga a seu povo que Ele abrirá as tumbas que guardam aqueles ossos, os cobrirá de tendões, veias, artérias e carne, estenderá sobre ele pele, lhes insuflará espírito de vida e os trará à Terra de Israel. Não há quadro mais patético que este para descrever ao povo judeu depois da Shoá. Então, mais que em qualquer outro tempo, a terrível pergunta foi: Por acaso perdemos nossa esperança?

Naqueles anos de luta para a concretização do sonho milenar, este canto se transformou no hino oficial do Estado em formação. Foi entoado por todos os participantes ao iniciar-se o ato de Declaração da Independência, em 14 de Maio de 1948, e executado pela orquestra filarmônica nacional ao finalizar o ato.

Apesar disso, a Knesset, o parlamento de Israel, ainda não havia decretado oficialmente como o hino do Estado; talvez porque a intuição indica que o hino final deve inspirar-se no segundo capítulo do livro de Isaías: "...de Tzion sairá a Lei e a palavra de Deus de Jerusalém, ...não levantará espada nação contra nação nem se exercitarão mais para a guerra."

Realidade Plena  -ano I  - numero II
 
Voce sabia ?
 
24 de adar I 5765 -  05 de março de 2005

seisdias.jpg
Yitzchak Rabin e Moshe Dayan durante a Guerra dos Seis Dias 1967

 
Que após a retirada das tropas da FENU (Força de Emergência das Nações Unidas), que garantiam o cessar fogo, dez anos depois do conflito árabe-israelense de 1956, o Egito voltou a ocupar o deserto do Sinai. O líder egípcio Nasser ordenou, em maio de 1967, o fechamento do estreito de Tiran, vital para Israel, aumentando sua popularidade no mundo árabe, fazendo com que a Síria e a Jordânia mobilizassem suas tropas para apoiá-lo em caso de um revide israelense. O pano de fundo era a questão palestina e os ataques da OLP (Organização pela Libertação da Palestina) aos judeus. Coerente com sua doutrina militar de "ataques preventivos", Israel já havia mobilizado suas forças armadas no início de junho e o Alto-Comando tentava convencer o primeiro-ministro da necessidade de atacar logo as forças que ameaçavam as fronteiras do país. Assim, ao amanhecer do dia 5 de junho, a Força Aérea Israelense(FAI), efetuou um ataque coordenado às principais bases aéreas do Egito, destruindo praticamente todos os seus aviões no solo ( 240 aeronaves de um total de 254 eliminados em todo o conflito) e inutilizando as pistas, marcando o início da Guerra dos Seis Dias. Bases jordanianas e sírias ( 45 de seus 142 aviões destruídos) também foram bombardeadas. Durante a guerra, a vantagem da FAI era patente: destruíra 350 aviões árabes e perdera apenas 31. No Sinai, o exército egípcio possui sete divisões e cerca de 950 carros de combate, distribuídos em posições defensivas. Por outro lado, o Exército israelense montara a Operação Lençol Vermelho, seguindo o padrão clássico da guerra-relâmpago, com cerca de 680 tanques e suas guarnições bem treinadas, infantaria e pára-quedistas avançando maciçamente sobre as posições inimigas, eliminando-as e atingindo o canal de Suez. A operação foi lançada junto com o ataque da FAI, descrito acima, em 5 de junho. A 7a.Brig.Blindada e os pára-quedistas capturaram as cidades de Rafia e Khan Yunis. Mais ao sul, no entroncamento rodoviário de Bir Lahfan, os Centurion israelenses emboscaram uma coluna de T-55 e uma brigada de infantaria mecanizada, destruindo 14 tanques e diversos caminhões de munição e combustível. A divisão blindada do Gen.Ariel Sharon (atual primeiro-ministro de Israel) capturara a fortaleza de Abu Aweigila, no deserto, após intensos bombardeios e a ajuda de um batalhão de pára-quedistas desembarcados de helicóptero dentro do forte. Em 6 de junho, devido à exaustão das tropas israelenses, as operações foram modestas. No dia seguinte, porém, os combates recrudesceram. Na entrada do desfiladeiro de Mitla, contando com apenas nove Centurion, o Exército israelense rechaçou repetidas ofensivas das tropas inimigas, com alguns confrontos a uma distância de 100 metros, deixando no local 157 carros de combate egípcios destruídos ou abandonados. Neste mesmo desfiladeiro, em 8 de junho, os israelenses emboscaram a 3a.Div.Inf., a 6a.Div.Mecanizada e parte da 4a.Div.Blindada do Egito, aniquilando 60 tanques, 100 canhões e 300 veículos. Para reabrir o estreito de Tiran, foi enviado um grupo de combate para o sul da península, a fim de encontrar-se com uma força de pára-quedistas que saltara em Sharm-el-Sheikh, mas não houve luta pois a guarnição egípcia havia batido em retirada. Raramente na história militar uma vitória tão ampla foi conquistada em tão breve espaço de tempo: bastaram quatro dias para desbaratar um exército de sete divisões. Em relação à Jordânia, que tinha o mais adestrado e poderoso exército dos que enfrentaram os judeus nessa guerra, a FAI eliminou a Real Força Aérea jordaniana e bombardeou posições da Legião Árabe, eliminando a possibilidade de uma ofensiva inimiga em direção ao mar Mediterrâneo, o que isolaria a Galiléia do resto do país, deixando-a vulnerável a um ataque da Síria. Nesta frente, a luta por Jerusalém merece registro: entre 5 e 7 de junho, forças israelenses, entre elas a 55a.Brigada Pára-quedista, enfrentaram uma luta encarniçada e exaustiva , de rua em rua, contra os membros da Legião Árabe e seus blindados, num confronto de 57 horas, após o qual Israel eliminou as ameaças à margem oeste e expandiu suas fronteiras até o rio Jordão. Mas o custo foi alto: os jordanianos inflingiram aos israelenses suas mais pesadas baixas sofridas durante a guerra dos Seis Dias, com 550 mortos e 2.500 feridos. A Síria, após o fracasso de seus aliados no Sinai e na margem do Jordão, adotou uma estratégia de defesa passiva. O Exército sírio bombardeava o território israelense de suas posições fortificadas nas colinas de Golan, só vulneráveis a forças terrestres. Uma ofensiva foi lançada em 9 de junho, pela Brigada Golani com apoio de uma brigada blindada e ataques aéreos da FAI, para reconquistar as colinas. A luta se desenvolveu na área de Tel Azzaziat e Tel Faher, ao norte, apinhadas de casamatas, trincheiras, campos minados e ninhos de metralhadoras, onde estas posições foram dominadas depois de combates intensos. Ao sul, um ataque de infantaria através do rio Jordão tomou as elevações perto de Bnot Yaaqov e os pára-quedistas lançados de helicóptero conquistaram Butmiye. Dominando Quneitra, a meio caminho da capital síria Damasco, os israelenses obrigaram o inimigo a pedir ajuda da União Soviética e da ONU por um cessar-fogo, obtido na noite de 10 de junho.
 

Copyright ©  all rights reserved 

Ardath © 2005

Retornar ao Site Realidade Plena