Make your own free website on Tripod.com

Realidade Plena - Arquivos

Histórias Reais III
Home
Certos Detalhes da Vida
Histórias Reais
Curiosidades
Parashá
Galeria Imortal

Realidade Plena - Ano I - numero II

24 de adar I de 5765 - 05 de março de 2005

Parte III


Dominação Estrangeira

- O Domínio Bizantino (313-636 D.C.)
- O Domínio Árabe (636-1099 D.C.)
- Os Cruzados (1099-1291 D.C.)
- O Domínio Mameluco (1291-1516 D.C.)
- O Domínio Otomano (1517-1917 D.C.)
. Sionismo
- O Domínio Britânico (1918-1948 D.C.)
. Administração
. Desenvolvimento Econômico
. Imigração
. Cultura
. Oposição Árabe e Restrições Britânicas
. Os movimentos clandestinos
- Voluntários judeus na 2a Guerra Mundial
- O Holocausto
- O Caminho Para a Independência

HISTÓRIA (Parte III)


Dominação Estrangeira

O Domínio Bizantino
(313-636 D.C.)

No final do século IV, após a conversão do imperador Constantino ao cristianismo (313 D.C.) e a fundação do Império Bizantino, a Terra de Israel se tornara um país predominantemente cristão. Foram construídas igrejas nos lugares santos cristãos de Jerusalém, Belém e da Galiléia, e fundaram-se mosteiros em várias partes do país. Os judeus estavam privados de sua relativa autonomia anterior, assim como do direito de ocupar postos públicos; também lhes era proibida a entrada em Jerusalém, com excessão de um dia por ano (Tishá beAv - dia 9 de Av), quando podiam prantear a destruição do Templo.
A invasão persa de 614 D.C. contou com o auxílio dos judeus, animados pela esperança messiânica da libertação. Em gratidão por sua ajuda, eles receberam o governo de Jerusalém; esse interlúdio, porém, durou apenas três anos. Subseqüentemente, o exército bizantino recuperou o domínio da cidade (629 D.C.), e os habitantes judeus foram novamente expulsos.

O Domínio Árabe
(636-1099 D.C.)

A conquista do país pelos árabes ocorreu quatro anos após a morte do profeta Maomé (632 D.C.) e durou mais de quatro séculos, sob o governo de califas estabelecidos primeiramente em Damasco, depois em Bagdá e no Egito. No início do domínio muçulmano, os judeus novamente se instalaram em Jerusalém, e a comunidade judaica recebeu o costumeiro status de proteção concedido aos não-muçulmanos sob domínio islâmico, que lhes garantia a vida, as propriedades e a liberdade de culto, em troca do pagamento de taxas especiais e impostos territoriais.
Contudo, a introdução subseqüente de restrições contra os não-muçulmanos (717 D.C.) afetou a vida pública dos judeus, assim como sua observância religiosa e seu status legal. A imposição de pesados impostos sobre as terras agrícolas levou muitos judeus a mudar-se das áreas rurais para as cidades, onde sua situação pouco melhorou; a crescente discriminação social e econômica forçou muitos outros a abandonar o país. Pelo final do século XI, a comunidade judaica da Terra de Israel havia diminuído consideravelmente, tendo perdido também parte de sua coesão organizacional e religiosa.

Os Cruzados
(1099-1291 D.C.)

Nos 200 anos seguintes, o país foi dominado pelos cruzados que, atendendo a um apelo do Papa Urbano II, partiram da Europa para recuperar a Terra Santa das mãos dos "infiéis". Em julho de 1099, após um cerco de cinco semanas, os cavaleiros da Primeira Cruzada e seu exército de plebeus capturaram Jerusalém, massacrando a maioria de seus habitantes não-cristãos. Entrincheirados em suas sinagogas, os judeus defenderam seu quarteirão, mas foram queimados vivos ou vendidos como escravos. Nas poucas décadas que se sucederam, os cruzados estenderam seu poder sobre o restante do país, em parte através de tratados e acordos, mas sobretudo em conseqüência de sangrentas conquistas militares. O Reino Latino dos Cruzados constituía-se de uma minoria conquistadora, confinada em cidades e castelos fortificados.
Quando os cruzados abriram as rotas de transporte da Europa, a peregrinação à Terra Santa tornou-se popular; ao mesmo tempo, um crescente número de judeus procurava retornar à sua pátria. Documentos da época revelam que um grupo de 300 rabinos da França e Inglaterra chegou ao país, instalando-se em Acre (Aco) e em Jerusalém.
Após a derrota dos cruzados pelo exército muçulmano de Saladino (1187), os judeus passaram a gozar novamente de uma certa dose de liberdade, inclusive o direito de viver em Jerusalém. Embora os cruzados conseguissem ainda manter sua presença no país após a morte de Saladino (1193), ela se limitava a uma rede de castelos fortificados. O domínio cruzado sobre o país chegou ao fim com a derrota final frente aos mamelucos (1291), uma casta militar muçulmana que conquistara o poder no Egito.

O Domínio Mameluco
(1291-1516 D.C.)

Sob o domínio mameluco, o país tornou-se uma província atrasada, cuja sede de governo era em Damasco. Acre, Jafa (Iafo) e outros portos foram destruídos por temor a novas cruzadas, e o comércio, tanto marítimo quanto terrestre, foi interrompido. No final da Idade Média, os centros urbanos do país estavam virtualmente em ruínas, a maior parte de Jerusalém estava abandonada e a pequena comunidade judaica vivia à míngua. O período de decadência sob os mamelucos foi obscurecido ainda por revoltas políticas e econômicas, epidemias, devastação por gafanhotos e terríveis terremotos.

O Domínio Otomano
(1517-1917 D.C.)

Após a conquista otomana, em 1517, o país foi dividido em quatro distritos, ligados administrativamente à província de Damasco; a sede do governo era em Istambul. No começo da era otomana, cerca de 1000 famílias judias viviam na Terra de Israel, em Jerusalém, Nablus (Sichem), Hebron, Gaza, Safed (Sfat) e algumas aldeias da Galiléia. A comunidade se compunha de descendentes de judeus que nunca haviam deixado o país, e de imigrantes da África do Norte e da Europa.
Um governo eficiente, até a morte do sultão Suleiman, o Magnífico (1566), trouxe melhorias e estimulou a imigração judaica. Alguns dos recém-chegados se estabeleceram em Jerusalém, mas a maioria se dirigiu a Safed onde, nos meados do século XVI, a população judaica chegava a 10.000 pessoas; a cidade se tornara um próspero centro têxtil, e foco de intensa atividade intelectual. O estudo da Cabala (o misticismo judaico) floresceu durante este período, e novos esclarecimentos da lei judaica, codificados no Shulchan Aruch, espalharam-se por toda a Diáspora, desde as casas de estudo de Safed.
À proporção que o governo otomano declinava e perdia suaeficiência, o país foi caindo de novo em estado de abandono geral.No final do século XVIII, a maior parte das terras pertencia a proprietáriosausentes, que as arrendavam a agricultores empobrecidos pelos impostos, elevadose arbitrários. As grandes florestas da Galiléia e do monte Carmelestavam desnudas; pântanos e desertos invadiam as terras produtivas.
O século XIX testemunhou os primeiros sinais de que o atraso medieval cedia lugar ao progresso. Várias potências ocidentais procuravam alcançar posições na região, freqüentemente através de atividades missionárias. Eruditos ingleses, franceses e americanos iniciavam estudos de arqueologia bíblica; a Inglaterra, a França, a Rússia, a Áustria e os Estados Unidos abriram consulados em Jerusalém. Foram inauguradas rotas marítimas regulares entre a Terra de Israel e a Europa, instaladas conexões postais e telegráficas e construída a primeira estrada, entre Jerusalém e Iafo. O renascimento do país como a encruzilhada comercial de três continentes acelerou-se com a abertura do Canal de Suez.
Conseqüentemente, a situação dos judeus do país foi melhorando, e a população judaica aumentou consideravelmente. Em meados do século, a superpopulação dentro das muralhas de Jerusalém levou os judeus a construir o primeiro bairro fora dos muros (1860) e, durante os vinte e cinco anos seguintes, mais outros sete, formando o núcleo da Cidade Nova. Por volta de 1880, os judeus já constituíam a maioria da população de Jerusalém. Terras agrícolas eram compradas em todo o país; novas colônias rurais se estabeleciam; e o hebraico, durante muitos séculos restrito à liturgia e à literatura, era revivido. O cenário estava pronto para a criação do movimento sionista.


Sionismo - o movimento de libertação nacional do povo judeu - é uma palavra derivada de “Sion”, o sinônimo tradicional de Jerusalém e da Terra de Israel. O ideal do sionismo - a redenção do povo judeu em sua pátria ancestral - está enraizado na contínua espera pelo retorno e na profunda ligação à Terra de Israel, que foi sempre parte inerente da existência judaica na Diáspora através dos séculos.
O sionismo político surgiu em conseqüência da contínua opressão e perseguição dos judeus na Europa Oriental e da desilusão com a emancipação na Europa Ocidental, que não pusera fim à discriminação nem levara à integração dos judeus nas sociedades locais. Sua expressão formal foi o estabelecimento da Organização Sionista (1897), durante o Primeiro Congresso Sionista, reunido por Teodoro Herzl -http://www.mfa.gov.il/mfa/go.asp?MFAH01230 em Basiléia, na Suíça. O programa do movimento sionista continha elementos ideológicos e práticos para a promoção do retorno dos judeus à sua terra, do renascimento social, cultural, econômico e político da vida nacional judaica, procurando também alcançar o reconhecimento internacional para o lar nacional do povo judeu em sua pátria histórica, onde os judeus não fossem perseguidos e pudessem desenvolver suas vidas e identidade.

Leia como curiosidade:
http://www.shemo.hpg.ig.com.br/mlk2.html

O Domínio Britânico
(1918-1948 D.C.)

Em julho de 1922, a Liga das Nações confiou à Grã-Bretanha o Mandato sobre a Palestina (nome pelo qual o país era designado na época) - http://www.mfa.gov.il/mfa/go.asp?MFAH00pr0 . Reconhecendo "a ligação histórica do povo judeu com a Palestina", recomendava que a Grã-Bretanha facilitasse o estabelecimento de um lar nacional judaico na Palestina-Eretz Israel (Terra de Israel). Dois meses depois, em setembro de 1922, o Conselho da Liga das Nações e a Grã-Bretanha decidiram que as estipulações destinadas ao estabelecimento deste lar nacional judaico não seriam aplicadas à região situada a leste do Rio Jordão, cuja área constituía os três quartos do território do Mandato - e que mais tarde tornou-se o Reino Hashemita da Jordânia. Portanto, a Jordânia, inicialmente com o nome de Transjordânia, foi destinada aos palestinos muçulmanos sobre quase 80% das terras que seriam dos judeus, ou seja, para que não houvessem muitos problemas, mais tarde em 1948, onde Israel ficou em cima de apenas aproximadamente 20% do território que, originalmente, seria dos judeus.
Compare os mapas a seguir:


Veja mais MAPAS, clicando aqui


Administração

As autoridades mandatórias britânicas concederam às comunidades judaica e árabe o direito de gerirem seus próprios assuntos internos. Utilizando-se deste direito, a comunidade judaica, conhecida como o ishuv, elegeu em 1920 um órgão governamental autônomo, baseado em representação partidária, que se reunia anualmente para avaliação das atividades e a eleição do Conselho Nacional (Vaad Leumi), responsável pela implementação de sua política e programas. Este conselho desenvolveu e manteve uma rede nacional de serviços educacionais, religiosos, sociais e de saúde, financiada por recursos locais e por fundos angariados pelo judaísmo mundial. Em 1922, conforme estipulado pelo Mandato, foi constituída a "Agência Judaica", para representar o povo judeu diante das autoridades britânicas, governos estrangeiros e organizações internacionais.


Desenvolvimento Econômico

Durante as três décadas do mandato, a agricultura expandiu-se, foram criadas fábricas e construíram-se estradas; as águas do Rio Jordão foram represadas para a produção de energia elétrica; e o potencial mineral do Mar Morto passou a ser explorado. Em 1920 foi fundada a Histadrut (Federação Geral de Trabalhadores), para promover o bem-estar dos trabalhadores e criar empregos, através do estabelecimento de empresas de propriedade cooperativa no setor industrial, assim como de serviços de comercialização para as colônias agrícolas comunais.

Imigração

Motivadas pelo sionismo e encorajadas pela "simpatia para com as aspirações sionistas dos judeus", expressas pela Inglaterra, através do Ministro de Relações Exteriores Lord Balfour (1917), chegaram ao país, entre 1919 e 1939, sucessivas levas de imigrantes, cada uma das quais trouxe sua contribuição específica ao desenvolvimento da comunidade judaica. Cerca de 35.000 judeus chegaram entre 1919 e 1923, sobretudo da Rússia, e tiveram influência marcante sobre o caráter e a organização da sociedade nos anos seguintes. Estes pioneiros lançaram os fundamentos de uma infra-estrutura social e econômica abrangente, desenvolveram a agricultura, estabeleceram formas de assentamento rural comunal singulares - o kibutz e o moshav - e forneceram a mão-de-obra para a construção de moradias e estradas. A onda seguinte, entre 1924 e 1932, trouxe uns 60.000 judeus, sobretudo da Polônia, e contribuiu para o desenvolvimento e enriquecimento da vida urbana.
Estes imigrantes se estabeleceram principalmente em Tel Aviv, Haifa e Jerusalém, onde criaram pequenos negócios, firmas de construção e indústrias leves. A última grande onda imigratória anterior à 2a Guerra Mundial ocorreu na década de 30, após a ascenção de Hitler ao poder, e compôs-se de cerca de 165.000 pessoas. Estes recém-chegados, muitos dos quais eram profissionais e acadêmicos, representaram o primeiro grande influxo proveniente da Europa Central e Ocidental. Por sua educação, habilidades e experiência, eles elevaram os padrões comerciais, refinaram as condições urbanas e rurais e ampliaram a vida cultural da comunidade.

Cultura

Aos poucos, ia surgindo uma vida cultural específica da comunidade judaica na Terra de Israel. A arte, a música e a dança desenvolveram-se gradualmente, com o estabelecimento de escolas profissionais e estúdios. Criaram-se galerias e salas de espetáculos onde se apresentavam exposições e espetáculos, freqüentadas por um público exigente. A estréia de uma nova peça, o lançamento de um novo livro ou a retrospectiva de um pintor local eram comentados pela imprensa e tornavam-se o tema de animadas discussões nos cafés e reuniões sociais.
O hebraico - http://www.mfa.gov.il/mfa/go.asp?MFAH07q20 - foi reconhecido como uma das três línguas oficiais do país, ao lado do inglês e árabe, e era usado em documentos, moedas e selos, assim como nas transmissões radiofônicas. A atividade editorial proliferou, e o país tornou-se o centro mundial da atividade literária em hebraico. Teatros de vários gêneros abriam suas portas a audiências entusiásticas, e apareceram as primeiras peças originais hebraicas.

Oposição Árabe e Restrições Britânicas

O renascimento nacional judaico e os esforços da comunidade por reconstruir o país encontraram forte oposição por parte dos nacionalistas árabes. Seu ressentimento explodiu em períodos de intensa violência (1920, 1921, 1929, 1936-39), quando os transportes judeus eram molestados, campos e florestas incendiados e a população judaica era atacada sem motivo.
As tentativas do movimento sionista de chegar a um diálogo com os árabes foram infrutíferas, e o nacionalismo árabe e judeu se polarizaram em situação explosiva. Reconhecendo os objetivos opostos dos dois movimentos nacionais, a Grã-Bretanha recomendou (1937) que o país fosse dividido em dois estados, um árabe e um judeu. A liderança judaica aceitou a idéia da partilha e encarregou a Agência Judaica de negociar com o governo britânico, num esforço de reformular alguns aspectos da proposta. Os árabes eram absolutamente contra qualquer plano de partilha, mesmo com a criação da Jordânia em 1922, cujo objetivo era evitar todo este conflito após 1948.

Os movimentos clandestinos

Três movimentos clandestinos judeus operaram durante o período do Mandato Britânico.
O maior era a Haganá, fundado em 1920 pela comunidade judaica como milícia de auto-defesa para garantir a segurança da população judaica. A partir dos meados da década de 30, ela também passou a retaliar os ataques árabes e a responder às restrições britânicas contra a imigração judaica com demonstrações de massa e atos de sabotagem.
O Etzel, criado em 1931, rejeitou as restrições auto-impostas pela Haganá e iniciou ações independentes contra objetivos árabes e ingleses.
O menor e mais militante dos grupos, o Lechi, surgiu em 1940, e sua linha era sobretudo anti-britânica. Os três grupos foram dissolvidos em maio de 1948, com a criação das Forças de Defesa de Israel.
Atos de violência contínuos e em grande escala levaram a Grã-Bretanha a publicar o Livro Branco (maio de 1939), que impunha drásticas restrições à imigração judaica, embora tal restrição significasse negar ao judaísmo europeu um refúgio à perseguição nazista. O início da 2a Guerra Mundial, pouco depois, levou David Ben-Gurion, mais tarde o primeiro chefe de governo israelense, a declarar: "Lutaremos na guerra como se não houvera o Livro Branco, e combateremos o Livro Branco como se não houvesse guerra."

Voluntários judeus na 2a Guerra Mundial

Mais de 26.000 homens e mulheres da comunidade judaica do país uniram-se às forças britânicas como voluntários no combate à Alemanha nazista e seus aliados do Eixo, servindo no exército, marinha e aeronáutica. Em setembro de 1944, após prolongados esforços da Agência Judaica no país e do movimento sionista no exterior pelo reconhecimento da participação dos judeus da Palestina no esforço de guerra, foi constituída a Brigada Judaica, unidade militar independente das forças britânicas, com bandeira e emblema próprios. Formada por cerca de 5.000 homens, a Brigada atuou no Egito, no norte da Itália e no noroeste da Europa. Após a vitória dos aliados na Europa (1945), muitos de seus membros uniram-se ao movimento de "imigração ilegal", para trazer sobreviventes do Holocausto à Terra de Israel.

O Holocausto

Durante a 2a Guerra Mundial (1939-1945), o regime nazista executou, deliberada e sistematicamente, seu plano-mestre de liquidação da comunidade judaica da Europa; durante este período foram assasinados 6 milhões de judeus, entre os quais 1,5 milhão de crianças. Hoje em dia, a campanha anti-semita tenta ludibriar o mundo com teorias absurdas, chamadas de “Revisionistas”, tentando convencer a todos de que nunca houve tal matança de judeus por Hitler, porém este genocídio foi mais do que provado que existiu. Ainda existem judeus vivos que podem testemunhar tal perseguição, exploração e matança de judeus. À proporção que as tropas nazistas varriam a Europa, os judeus eram perseguidos selvagemente, submetidos a torturas e humilhações inconcebíveis e fechados em guetos, onde tentativas de resistência armada trouxeram em conseqüência medidas ainda mais drásticas. Dos guetos eles eram transportados aos campos de concentração onde alguns afortunados eram submetidos a trabalhos forçados, e a maioria era assassinada em fuzilamentos em massa ou nas câmaras de gás. Somente alguns escaparam. Alguns fugiram para outros países, outros uniram-se aos partisanos (resistência) e alguns foram escondidos por não-judeus, que o fizeram arriscando suas próprias vidas. Em conseqüência, de uma população de quase 9 milhões, que constituíra no passado a maior e mais vibrante comunidade judaica do mundo, sobreviveu apenas 1/3, incluindo aqueles que haviam deixado a Europa antes da guerra.

Para ler mais sobre o Holocausto Nazista:
http://www.geocities.com/Pentagon/Quarters/3415/holo1.html

Após a guerra, os britânicos intensificaram suas restrições ao número de judeus que tinham permissão de entrar e se estabelecer no país. A comunidade judaica reagiu, instituindo uma ampla rede de atividades de "imigração ilegal”, para salvar os sobreviventes do Holocausto. Entre 1945 e 1948, cerca de 85.000 judeus ingressaram no país, através de rotas secretas e muitas vezes perigosas, apesar do bloqueio naval britânico e do patrulhamento nas fronteiras para interceptar os refugiados antes que eles chegassem ao país. Os que eram capturados eram internados em campos de detenção na ilha de Chipre.

O Caminho Para a Independência

A inabilidade da Grã-Bretanha em conciliar as exigências opostas das comunidades judaica e árabe levou o governo inglês a requerer que a "Questão da Palestina" fosse inscrita na agenda da Assembléia Geral das Nações Unidas (abril de 1947). Em conseqüência, foi constituído um comitê especial para preparar propostas relativas ao futuro do país. Em 29 de novembro de 1947, a Assembléia votou pela adoção da recomendação do comitê propondo a partilha do país em dois estados, um judeu e outro árabe. A comunidade judaica aceitou o plano; os árabes o rejeitaram. Após a decisão da ONU, os militantes árabes locais, ajudados por forças voluntárias irregulares dos países árabes, desfecharam violentos ataques contra a comunidade judaica, num esforço por frustrar a resolução da partilha e impedir o estabelecimento do estado judeu. Após vários revezes, as organizações de defesa judaicas expulsaram a maior parte das forças atacantes, tomando posse de toda a área que tinha sido destinada ao estado judeu.
Em 14 de maio de 1948, data em que o Mandato Britânico terminou, a população judaica na Terra de Israel era de 650.000 pessoas, formando uma comunidade organizada, com instituições políticas, sociais e econômicas bem desenvolvidas - de fato, uma nação em todos os sentidos.

 

Voltar

Copyright ©  all rights reserved 

Ardath © 2005

Enter supporting content here